ArtantheCities
ART TRAVEL
& MORE
Follow me

Search

Concetto Spaziale di Lucio Fontana

Após a Segunda Guerra Mundial, Lucio Fontana começou a falar às pessoas sobre seu conceito de Espacialismo. Ele observou que em muitas outras áreas da vida as coisas estão mudando e sendo aceleradas por meio de máquinas e tecnologias, mas que a arte não muda há séculos; os pintores, por exemplo, ainda pintam em telas planas.

Ele, portanto, pensa que os artistas devem criar uma arte enérgica e dinâmica que acompanhe os tempos. Na tentativa de criar uma dimensão extra, surge a ideia de recortar as suas telas, chamando-as de Tagli.

Conceito Espacial de Lucio Fontana | Como nasceu o Espacialismo

E em 1949 ele desenvolveu o termo conceito espacial para descrever seu trabalho. Ele corta as superfícies planas de suas telas e integra espaço e profundidade reais, em vez de imaginários. Em vez de criar ilusões com tinta, sugere o infinito através do corte.

E quando um crítico comenta que seu trabalho parece agressivo, ele responde que construiu, não destruiu!

De certa forma, este trabalho lembra as marcas de tinta de algumas obras expressionistas abstratas das décadas de 1940 e 1950. Mas, ao contrário dos métodos de “pintura de ação” dos expressionistas abstratos, que se concentram no ato de pintar e nas marcas na superfície, Fontana descreve esse corte como “uma dimensão infinita”. Chamando seu trabalho de “arte para a era espacial”, ele pretende escapar das convenções que dominaram a arte desde antes do Renascimento; suas obras não pretendem representar nada do mundo real, mas sim transcender o espaço e gerar uma sensação de infinito.

Conceito Espacial de Lucio Fontana | Sua história

Nascido na Argentina de pais italianos, Fontana sentiu uma forte aliança com o movimento futurista que começou na Itália em 1909 e visava capturar o dinamismo e a energia do mundo moderno na arte. Ele começou a perfurar a superfície de seu papel ou tela no final dos anos 1940, eliminando a diferença entre duas e três dimensões. Seu primeiro corte ele fez no final do verão de 1958, usando uma lâmina afiada e um único movimento, criando pequenas ou grandes incisões, muitas vezes diagonais, às vezes em grupos. Ele continua experimentando essa ideia como um gesto que vai além da pintura. Ele pinta algumas telas em cores brilhantes individuais.

Durante 1959, os buracos e fendas de Fontana evoluem para cortes únicos e decisivos. Ele então cobre cada tela com uma forte gaze preta para dar a aparência de um vazio atrás do corte. Nos seus primeiros trabalhos com corte solar escreve no verso a palavra Attesa, que significa e no verso dos cortes diferentes escreve Attese (versão plural).

Lucio Fontana na Bienal de Veneza

Em 1966, Fontana exibiu uma sala inteira de cortes brancos na Bienal de Veneza, afirmando ter encontrado uma maneira de “dar ao espectador uma impressão de calma espacial, de rigor cósmico, de serenidade no infinito” .