Expand To Show Full Article
A BIENAL DE Veneza 2019 – Giardini e Arsenale A NÃO PERDER!! - Art&theCities
ArtantheCities
ART TRAVEL
& MORE
Follow me

Search

A Bienal de Arte de Veneza 2019

O post de hoje é dedicado a Veneza, e em particular à Bienal de Arte de 2019. Estive lá algumas semanas atrás durante a inauguração e foi maravilhoso. Então não poderia deixar de compartilhar com vocês.

A Bienal de Arte de Veneza ocorre a cada dois anos e sempre dura de maio a novembro. Veneza está repleta de obras de arte, esculturas, instalações, artistas, mas sobretudo de exposições e atividades.

Cheguei de Londres no início da manhã. E do principal aeroporto de Veneza foi muito fácil chegar ao centro da cidade com um ônibus que leva cerca de meia hora.

A partir daí você é capturado pelas mil cores e não sabe bem para onde olhar primeiro. Veneza é linda e perder-se nas ruas estreitas torna a caminhada um jogo.

Se não lhe apetecer subir e descer pontes e escadas, pode sempre apanhar o vaporetto. Raramente pego porque adoro me perder nos becos, onde não faltam indicações para os principais lugares como San Marco ou Rialto.

 Bienal de Arte de Veneza 2019 – O que é e como é organizada

Por ocasião da Bienal, há muitas coisas para ver, por isso vou explicar um pouco sobre o que é e como é organizada. É uma exposição que acontece em lugares diferentes. E seus escritórios principais são o Arsenale e Jardins. Cada nação participa propondo uma exposição pessoal ou coletiva de um ou mais artistas representativos dentro de seu próprio espaço expositivo. E esta exposição “nacional” está sempre ligada ao tema principal da iniciativa.

Este ano, por exemplo, o título da Bienal é “Que você viva em tempos interessantes”. Sentido: Uma expressão em inglês que costuma ser usada com ironia, mas que pode ter um duplo significado. Por um lado, entendemos por “tempos interessantes” tempos de paz e, portanto, de firme aprovação; por outro lado, pelo contrário, momentos complexos de desenvolvimento e desafio.

Cada artista de cada nação deu sua própria interpretação do tema e é isso que faz da Bienal um lugar onde se encontram diferentes culturas e inúmeros pontos de vista.

Para acessar o Arsenale e Giardini você paga um ingresso padrão de € 25 com reduções por idade ou profissão.

O Arsenal

Minha área favorita sempre foi o Arsenal, então sempre começo por lá. E também este ano posso confirmar que gostei muito. O roteiro começa com uma exposição geral do curador da Bienal, Ralph Ruggof.

A escolha dos artistas pode parecer complexa, mas na verdade foi baseada no desejo de mostrar como os objetos podem ser vistos de diferentes perspectivas. Assim, os artistas expostos propõem significados ou propósitos alternativos a objetos e situações. Isso é para estimular o raciocínio e sublinhar a função social da arte como uma ferramenta para o pensamento crítico sobre o mundo que nos rodeia.

Após a exposição coletiva, inicia-se a visita aos pavilhões nacionais. São Arsenale cerca de 25 incluindo alguns dos meus preferidos: Turquia caracterizada pela videoarte e interação com objetos esquecidos.comA Itália um labirinto de obras e sons onde se perde de boa vontade em busca de um caminho pessoal e livre ea Arábia Saudita com uma estupenda instalação de land art.

 Os Jardins

Com o mesmo bilhete pode também visitar os Jardins, no próprio dia ou em qualquer outro horário. Lá a organização é semelhante. Existe de facto o pavilhão central com uma exposição colectiva dos mesmos artistas presentes no Arsenale mas com uma configuração completamente diferente.

Depois de visitar a área principal, passear pelos pavilhões nacionais nos jardins é relaxante e emocionante ao mesmo tempo. Principalmente em dias ensolarados. Também aqui existem cerca de trinta países, cada um com o seu espaço e quase parece entrar e sair das fronteiras de um mundo feito de culturas diferentes. Isso é o que mais gosto na Bienal, abre meus olhos para como arte e sociedade se influenciam. Você viaja pelo mundo da arte visitando apenas uma cidade, Veneza.

Aqui no Giardini alguns pavilhões me impressionaram mais do que outros. Para mim, uma visita obrigatória é aInglaterra. A artista a quem a exposição temporária é dedicada é Cathy Wilkes que trabalha a relação entre ela enquanto pessoa e os objetos e o espaço que a rodeia através de seis salas com instalações e esculturas.

Outro pavilhão imperdível é o de Bélgica, junto comIsrael que consiste em uma falsa clínica do presente ou do futuro em que você pega um número, espera sua vez e está pronto para dar vazão à sua raiva por meio de uma ação-performance em que nos tornamos os protagonistas.

Quanto ao Arsenale, também passei um dia inteiro no Giardini, então se você está planejando ir visitar a Bienal, sugiro que tire pelo menos alguns dias e leve um lanche para passear livremente. 

Pavilhões na cidade

Fora destes dois locais, existem gratuitamente vários pavilhões espalhados pela cidade. Se procura obras interessantes, sugiro que faça um tour pela zona da Ponte dell’Accademia.

estão os Portugal, Bulgária, Iraque, Montenegro e Malesya. O que mais gostei foi de Portugal no Palazzo Giustinian. Aqui estão as obras de Leonor Antunes que transformaram objectos do quotidiano em obras de escultura abstracta que enchem os salões do edifício.

Ainda na mesma zona, sugiro que visite a exposição A centelha és tu montada no Conservatório com obras de artistas persas e iranianos e com obras relacionadas não só com o tema da Bienal, portanto o objecto noutras funções e perspectivas, mas também a relação entre palavra e obra de arte.

Esta é apenas uma das muitas exposições temporárias que foram organizadas durante o período da Bienal por todos os museus e instituições da cidade. Para mim era impossível poder visitá-los num fim de semana que decidi dedicar exclusivamente à Bienal.

Deixe-me saber nos comentários se você já foi e gostou ou se está planejando ir!